Pesquisar neste blog

Origem das Visitas

AROLDO FILHO

https://www.facebook.com/DelfosJornal GRUPO AROLDO FILHO NO FACEBOOK

terça-feira, 16 de abril de 2013

Golpe contra os Funcionários de Escola...

Tarso aprova mais um projeto que retira direitos dos servidores


Com a cumplicidade da sua base aliada na Assembleia Legislativa, o governo do estado do Rio Grande do Sul aprovou na tarde desta terça-feira 16 mais um projeto que retira direitos dos servidores públicos. A base governista aprovou a reestruturação do quadro geral proposta pelo governador Tarso Genro (PT).
O governo Tarso aproveitou o projeto de reestruturação do quadro geral para incluir nele os funcionários de escola que estavam fora do plano de carreira. Com isso, Tarso descumpre promessa feita aos educadores em 2011, quando disse que incluiria estes funcionários no plano de carreira. Na ocasião também afirmou que realizaria concurso público para funcionários de escola, o que não foi feito.

A inclusão dos funcionários excluídos do plano de carreira no quadro geral abre a possibilidade de que novos profissionais possam ingressar nas escolas não mais através do seu plano de carreira, mas pelo quadro geral. Portanto, o governo Tarso, que já atacou o plano de carreira do magistério, agora ataca o plano dos funcionários de escola.
A presidente do CPERS/Sindicato, Rejane de Oliveira, criticou a forma com que o projeto foi encaminhado. "Sempre que apresenta projetos que atacam os direitos dos trabalhadores, o governo o faz com regime de urgência, tudo para não dar tempo para a discussão", destacou a sindicalista.
“O que foi dito pelo líder do governo no Legislativo, Valdeci Oliveira (PT), e pela ex-secretária da Administração, Stela Farias (PT), não corresponde à verdade. O projeto retira o direito à paridade entre ativos e aposentados e acaba com as promoções, que serão feitas de acordo com a vontade do governo”, destacou o presidente do Sindsepe-RS, Cláudio Augustin.

A verdade é que o Rio Grande do Sul não tem um piso salarial para os seus servidores, assim como não tem um teto salarial para os altos vencimentos.

João dos Santos e Silva, assessor de imprensa do CPERS/Sindicato
Fotos: André Ávila