Pesquisar neste blog

Origem das Visitas

AROLDO FILHO

https://www.facebook.com/DelfosJornal GRUPO AROLDO FILHO NO FACEBOOK

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Rodoviários e as consequências da dupla função





Texto: Joseclei Nunes (Blog) (Facebook) (Twitter)

Há menos de um mês, a cidade do Rio de Janeiro passou por um dia de tensão devido à greve dos rodoviários, mas tudo acabou sendo em vão.

É inegável comentar sobre a dupla função. De um lado os motoristas estressados e freqüentemente sem treinamento adequado. Do outro lado, uma legião de passageiros submetida a viagens desconfortáveis, muitas vezes perigosas, e horas de engarrafamento. Acrescente a isso a ineficiência da fiscalização no transporte público. O resultado dessa equação faz com que circular de ônibus no Rio seja um sofrimento diário que, não raramente, termina em tragédia, como aconteceu na terça-feira retrasada. Sete pessoas morreram e 11 ficaram feridas.

A reivindicação é mais que justa. Muitas cidades do Brasil já estão acabando com essa dupla função. Mas aqui no Rio é diferente, pois há um interesse público e privado.

Se não fosse o fim trágico desse acidente, seria apenas mais um nas estatísticas do governo. Foram registrados nos últimos quatro anos, uma média de dois acidentes com vítimas por semana envolvendo ônibus. Em 2011, houve o registro de 126 casos; em 2012 foram 84. No ano passado, a ouvidoria da Secretaria municipal de Transportes recebeu 28.294 reclamações sobre os ônibus. Entre as queixas mais freqüentes estão falta de humanidade por parte do motorista e comprometimento à integridade dos passageiros. Especialistas já apontaram o estresse dos motoristas como uma causa freqüente de acidentes. No caso do veículo da semana passada, o motorista também exercia a função de cobrador.

Mesmo sabendo dessas tragédias, o governo ainda mantém a dupla função. Em 2008, o projeto de lei nº50/2007 criada pelo deputado Paulo Ramos (PDT-RJ) pretendia acabar com a dupla função. O projeto foi aprovado, porém acabou indo para a gaveta do presidente da câmara que pertence ao PMDB.

O projeto de lei de junho de 2008: Pelo Regimento Interno da casa, este projeto deveria entrar na pauta para a segunda discussão 48h após a primeira aprovação, mas até hoje, quase quatro anos depois, não foi incluído na Ordem do Dia por Paulo Melo. Para Ramos, está claro que o lobby das empresas de ônibus, representadas Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), impede a aprovação:

"É a força que têm as empresas. Quem é que tem poder para fazer um projeto importante como esse não tramitar? Só pode ser a Fetranspor", acusa.

Com aval da prefeitura e do governo do estado do Rio de Janeiro, estas empresas, a fim de ampliarem seus lucros, criaram a dupla função. Além de dirigir, os motoristas são obrigados a receber dinheiro e dar o troco enquanto dirigem. Eles se desconcentram do trabalho principal, a direção, e acabam tendo problemas com passageiros por conta de eventuais erros na hora de repassar dinheiro.

Esse acúmulo de funções tem como resultado diversos acidentes, atrasos no embarque que conseqüentemente tornam o trânsito pior, viagens mais incômodas, longas, estressantes e arriscadas tanto para o motorista quanto para os passageiros. Afinal, se não podemos usar telefone celular enquanto dirigimos, não faz sentido que os motoristas de ônibus possam trocar dinheiro.

O interesse é grande para muitos e os problemas continuam, viram estatísticas e no final ninguém faz nada. A culpa sempre acaba caindo em cima dos mais fracos, como aconteceu no acidente da linha 328, onde mesmo sabendo que o veículo estava fazendo suas viagens de forma irregular, com multas, o motorista, e não na empresa, foi culpado. Sem contar que as empresas de ônibus só querem saber de aumentar as passagens e não fazem prevenção dos coletivos, além de aumentarem a carga horária dos trabalhadores rodoviários, que estressados repassam suas frustrações para nós, passageiros!

Diferente do Rio, muitas cidades já terminaram com a dupla função. O que nos resta é esperar que com esse fim trágico, nossos parlamentares pressionem o governo e a prefeitura para acabar com esse descaso, onde um motorista que já trabalha quase 18 horas diária acaba enfrentando essa dupla função. Isso só trás péssimas conseqüências a todos nós passageiros e aos rodoviários.  Agora aguardar os próximos capítulos e torcer pelo fim dessa função.