Pesquisar neste blog

Origem das Visitas

AROLDO FILHO

https://www.facebook.com/DelfosJornal GRUPO AROLDO FILHO NO FACEBOOK

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

ENTREVISTA COM RAPHAEL OLIVEIRA

Raphael Oliveira é de Belo Horizonte. Trabalha em hotelaria e estuda Publicidade e Propaganda.


AP: 1 Quando surgiu a UDB e com qual objetivo?


RO:_ Surgiu em uma conversa na comunidade Deism da necessidade, da divulgação dessa filosofia sendo de pouco conhecimento da população.


Tem este princípio como válido:

“7. Acreditamos que a religião é um assunto pessoal guiado pelos ditames da consciência. Nós não defendemos os esforços para converter as pessoas ao deísmo, mas sim esforçar-se por promover o deísmo e educar aqueles que estão interessados.”


AP: 2-Como descobriu que era deísta?


RO:_ Descobri após está com várias dúvidas em relação à fé cristã e estudos sobre outras filosofias e religiões.


Ouvi falar em um termo “deita” pesquisei na internet e apareceu Deísta identifiquei logo com a filosofia principalmente através de textos de Voltaire, John Locke, Spinoza, Thomas Paine...


AP: 3- Foi difícil esse processo de mudança de religião? Seus amigos e família entendem o que significa deísmo?


RO:_ No caso filosofia religiosa o Deísmo não é religião. Acredito que não, por terem sua religião e não quiserem me ouvir decidir respeitar a opinião deles, seguindo a tese que os deístas esforçam por promover o deísmo e educar aqueles que estão apenas interessados.


AP: 4-De todo modo, deístas não crêem em céu, inferno, demônios ou outros seres místicos abaixo do deus ao qual acreditam, ou estou errado? Esse é, de todo modo, um processo religioso de transição, uma mudança de crença. Não é?


RO:_ Sim. Cremos que tudo pode ser determinado usando a razão e a observação do mundo natural.


" Os conceitos de "inspiração","revelação divina e também seres místicos" não são negados, mas o deísta entende que estes acontecimentos são pessoais e específicos para quem os recebeu, se realmente os recebeu.


“Esse é, de todo modo, um processo religioso de transição, uma mudança de crença. Não é?”

sim uma mudança de Filosofia religiosa.


AP: 5 Já ouviu falar em Adeísmo?


RO: Hahha, você que me disse. rs.


AP: Sim, mas existe ainda outra definição. como no link: http://www.videeditorial.com.br/o-que-e/a-b/adeismo.html


RO: Pergunta: Nega um único Deus?

mais crer em outros?


AP:6-Não. Nega todos; no caso do link que te enviei nega os deuses no hinduísmo.


RO: Hum.


AP: Nesse caso poderia crer em outros.


RO: Ok.


AP: Mas, na minha definição...


RO: Só essa dúvida.


AP: Seria um ateu místico.


7-Esse deísmo sem negação do misticismo funcionaria como um Teísmo moderado?


RO: Não porque o Deísta na maioria não crer no misticismo só serve pra pessoa que recebeu. .Ela não pode convencer outras pessoas sobre este caso sem provar racionalmente.

Existem deistas Espiritualistas que levam em conta a meditação. A meditação é algo interessante porque a medicina prova os benefícios para o corpo.

AP: 8-Você acredita em alma, anjos, céu, inferno, ou outra coisa mística?

RO: Acredito em alma ou espírito... Mas não posso provar a ninguém,

apenas acredito pra mim entendeu:?


AP: Sim


RO: Como disse Thomas Paine : “Eu não preocupo com o modo de existência no futuro. Eu me contento com a crença, com a mesma convicção positiva, que o poder que me deu a existência é capaz de continuar, sob qualquer forma e maneira que ela quiser, e parece mais provável para mim que deve continuar a existência de seguir do que eu deveria ter tido existência, como eu tenho agora, antes que a existência começou. “


AP: 9- no que mais você acredita de místico que não pode provar?


RO: Eu não creio e defendo completamente que exista mais ha uma possibilidade muito grande de haver um espírito ou alma que rege os afazeres do corpo.. Não esse tipo de absurdo que passam em filmes, etc.


Você entendeu? Não retiro a possibilidade que possa existir um mundo espiritual que não está em nossos olhos ou mesmo aqui ser a continuidade... Mais prefiro não me preocupar com isso..


AP: hum.é. vc não é agnóstico?


RO:não.


AP: rsrs. Parece.


RO: Nesse caso a respeito da imortalidade da alma e espíritos ninguém pode ter certeza quando a razão provar isso ai sim.


Você não pode dizer que não existe ou existe... Há muitos casos na própria ciência que discutem muito sobre esse assunto o agnostiscismo notado de sua parte foi na questão de se creio em alma e espirito o Deísmo não se baseia em sua totalidade nessa área


Se quiser colocar alguns príncipios da UBD pode colocar tbm na entrevista.


AP: Cite o que achar mais forte


RO: Ah, existem também correntes fortes do Deísmo.. Deísmo Moderno, Clássico. E, nos EUA, os espirituais.


AP: Interessante.


RO: Muitos deístas clássicos eram críticos de alguns tipos de oração.


Hoje, deístas realizam uma variedade de opiniões sobre a oração:

Alguns deístas contemporâneos acreditam (como os clássicos deístas) que Deus criou o universo perfeitamente, então não há quantidade de súplicas, pedir, implorar isso não pode mudar a natureza fundamental do universo.


Alguns deístas não acreditam na intervenção divina, mas ainda encontram o valor da oração como uma forma de meditação, auto-limpeza e de renovação espiritual. Tais orações são muitas vezes apreciadas (isto é, "Obrigado por ...") e não suplicantes (Por favor, conceda-me Deus ..."). Entendeu?


AP: Então, houve uma gradação?


Como no passado, os deístas modernos têm muitas crenças diferentes sobre a natureza de Deus. Isto é porque a natureza nunca pode ser verdadeiramente conhecido, mas somente inferido a partir de nossa perspectiva.


Como tal, existem muitas crenças diferentes entre deístas sobre o que Deus pode ou não ser. Isso incentiva que todos possam usar sua própria razão e experiências para desenvolver as suas opiniões sobre Deus e aspectos associados.


Houve uma degradação da imagem do deísmo no passado pelo protestantes americanos dizendo que Deus tinha abandonado a criação essa idéia não tinha por totalidade todas as mentes deístas foi ai que o deísmo foi se apagando naquela época .


Tem mais: A única exigência é que a fé do deísmo é baseado na experiência da Razão, e a Natureza. Além disso, o deísmo Moderno incorpora as mais recentes interpretações encontradas nos campos da ciência, filosofia, psicologia e história para que ela integra pontos de vista clássica e moderna com a sabedoria do passado com as descobertas do presente. O deísmo clássico.


Existiu uma campanha anti-deísta e anti-razão por alguns clérigos cristãos e teólogos

Movimentos cristão revivalista, como O Metodismo , que ensinava que uma relação mais pessoal com uma divindade era possível derrubaram o DEÍSMO NO TEMPO CLÁSSICO... ALÉM DE NÃO TER FORÇAS COMO HOJE.


O deísmo permaneceu uma filosofia pessoal e ainda não tinha se tornado um movimento organizado (antes do século 20 de organizações como a União Mundial de deístas). POR ISSO O ENFRAQUECIMENTO TABÉM.


AP:10: alguns deles chegaram a virar ateus?


RO: O surgimento, crescimento e propagação do naturalismo e materialismo , que eram ateus FIZERAM MUITOS NA ÉPOCA VIRAREM ATEUS.


AP: 11- deixe uma mensagem para quem se interessar pelo deismo e quise fazer parte da UBD ou conhecer.


RO: Acreditamos que a religião é um assunto pessoal guiado pelos ditames da consciência. Nós não defendemos os esforços para converter as pessoas ao deísmo, mas sim esforçar-se por promover o deísmo e educar aqueles que estão interessados.


Se você se interessou pela entrevista participe do nosso grupo no Facebok (UBD) http://www.facebook.com/groups/214004685278274/ ou visite o nosso blog: ubdeistas@blogspot.com.


O meu twitter@PhaelNascimento


“A necessidade de procurar a verdadeira felicidade é o fundamento da nossa liberdade.”

John Locke


ATEU POETA

15/08/2011

Entrevista concedida por msn.