Pesquisar neste blog

Origem das Visitas

AROLDO FILHO

https://www.facebook.com/DelfosJornal GRUPO AROLDO FILHO NO FACEBOOK

terça-feira, 14 de agosto de 2012

BIOGRAFIA DE ROSIMAR BRITO




Maria Rosimar Brito Arruda nasceu no município de Pacoti- Ceará, aos 23 de dezembro de 1951. 1ª Historiadora de Pacoti e professora  aposentada pela rede estadual. Formada em Estudos Sociais (História e Geografia) e especialista em Administração Escolar pela Universidade Estadual Vale do Acaraú. É a 1ª.dos sete filhos do casal Bento Luís de Brito e Maria Rosa do Nascimento Brito, residentes no mesmo município.

Iniciou sua vida escolar aos sete anos de idade com a professora Cândida Lopes Nogueira, conhecida pelos pacotienses como professora Candinha, mas, logo precisou interromper seu processo de alfabetização para somente aos onze anos voltar a frequentar os bancos escolares. Depois de estudar durante um ano no antigo dispensário dos pobres- Externato São José, Entidade Filantrópica dirigida pelas Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo. Transferiu-se para o então Grupo Escolar, hoje Escola de Ensino Fundamental e Médio Menezes Pimentel, onde, ininterruptamente, frequentou do 1° ao 3° ano do curso primário.

Aprovada nos exames de admissão ao ginásio sem cursar a 4ª. Série, matriculou-se no Ginásio São Luís, mantido nesta cidade pela Campanha Nacional de Educandários Gratuitos ( CNEG), mais tarde, transformado em Centro Educacional São Luís e Campanha Nacional de Escolas da Comunidade (CNEC), respectivamente. Ali, estudou durante anos, até 1970.

Muito jovem ainda, começou a dar aulas particulares em sua própria residência, inclusive para alunos que precisavam de reforço escolar para os temidos exames de recuperação em 2ª. Época. Antes de concluir o Ginasial, começou a trabalhar como auxiliar de escrevente do cartório do 1º. Ofício desta cidade, mais ou menos quatro anos de experiência. Dali saindo, de espontânea vontade, em 30 de março de 1974, a convite do então vigário, Pe. Kiliano Mitnacht, para prestar serviço na secretaria de da paróquia local. Antes disso, porém, indicada por uma ex-professora, passou a ministrar aulas de desenho geométrico, na 7ª. E 8ª. Séries do Instituto Maria Imaculada; trabalho que lhe garantiu em troca cursar naquele educandário os três anos de estudos pedagógicos, necessários à aquisição do diploma de professora primária que lhe foi conferido a 15 de dezembro de 1973.

No exercício de suas funções como secretária, nos trabalhos administrativos da paróquia, teve a feliz oportunidade de participar, na capital cearense, do 8º. Cursilho Feminino de Cristandade, tornando-se, a partir daquele evento, também, agente pastoral; vindo a receber, mais tarde, do arcebispo da Arquidiocese de Fortaleza, através da Coordenadoria dos Movimentos Leigos da Faculdade de Filosofia, a investidura de Ministra Extraordinária da Eucaristia. Trabalhou como agente pastoral na catequese, em cursos de preparação para o batismo, 1ª. Eucaristia, crisma e matrimônio, além de coordenar todos os trabalhos litúrgicos confiados aos grupos de jovens ou adultos das comunidades, e, também, da sede. A pedido do vigário, lecionou Religião na Escola Menezes Pimentel antes, ainda, de ali ser lotada como Professora Estadual.

Em 1975, lecionou Língua Portuguesa no curso de Contabilidade do Centro Educacional São Luís- CENEC-. Naquele mesmo ano, a 23 de dezembro, casou-se com José Aroldo Gonzaga Arruda, de cujo enlace matrimonial nasceram seus quatro filhos: Christian Dárlio (08/04/77), Chrisley Dárcia (25/11/79), Aroldo Dárney (18/09/82) e Aroldo Filho (01/04/86).

A 30 de março 1976, assumiu exercício efetivo na então Escola de 1° Grau Menezes Pimentel, por força do contrato de Professora Estadual, com vigência a partir do primeiro janeiro daquele ano, precisando, por isso, abdicar das aulas ministradas no curso de contabilidade, citado no parágrafo anterior. Voltou, porém, a lecionar naquela instituição no período compreendido entre os anos de 1979 a 1981.

Em 1980, frequentou e concluiu, no Ginásio Escola Normal Virgílio Távora, em Aracoiaba-CE, o 4° Pedagógico- estudos adicionais na área de comunicação e expressão (Turno Noturno) e, de fevereiro de 1981 a novembro de 1982, voltou a lecionar Língua Portuguesa e Literatura Infantil no curso Pedagógico do Instituto Maria Imaculada, em Pacoti.

Em janeiro de 1987, submeteu-se aos exames para o vestibular do curso parcelado de Licenciatura Plena em Estudos Sociais, na Universidade Estadual Vale do Acaraú, conquistando o 1° lugar na lista de aprovados.

Ainda universitária, durante todo o período, de maio a dezembro de 1991, idealizou e desenvolveu, sob a coordenação do Departamento de Educação e do Centro Cultural deste município, através do convênio “Intercâmbio Cultural”, firmado entre a Universidade Federal do Ceará (UFC), o Centro de Documentação e Pesquisa da Informação Coletiva (CeIC) e a Prefeitura Municipal de Pacoti, a 1ª. Gincana Cultural “Coruja Solidária”, da qual participaram ativamente as três principais escolas da sede ao lado de representativa parcela da sociedade local.

Animadas pelas ações do Teatro “A saga da Coruja”, criado para trabalhar a principal mensagem da gincana. As seis equipes inscritas desenvolviam, com impressionante competência e eficácia, os seus trabalhos de cunho artístico e pedagógico.

Concluída a sua jornada acadêmica, Rosimar foi apresentada pela 1ª Delegacia Regional de Educação do Ceará (1ª. DERE) para responder pelas funções do cargo de direção e assessoramento superior de vice-diretora da Escola de 1º. Grau Menezes Pimentel, posição que ocupou no desenvolvimento das respectivas tarefas por três anos.

Ao mesmo tempo em que respondia pelas funções do cargo acima citado, a convite do então prefeito municipal Pedro Antônio Brito Filho, foi nomeada para exercer o cargo  de Diretora de Cultura, período em que idealizou e realizou, juntamente com sua irmã, Fátima Brito, na época, Secretária de Educação de Pacoti, o 1º. Festival Junino de Pacoti, envolvendo escolas e outros grupos sociais das comunidades rurais e da sede, na quadra esportiva do Pólo de Lazer.

Criada em Pacoti, em 1997, a Secretaria de Cultura, Turismo e Meio Ambiente, Rosimar foi nomeada para o cargo em Comissão de Diretora do Departamento de Cultura daquele órgão, ali permanecendo até o final de 2000, tempo em que participou da realização de diversos eventos culturais, articulou movimentos artísticos e ações pedagógicas junto à comunidade escolar, além de outras ações voltadas para a valorização da identidade cultural desta terra.

Em 1999, conclui o Curso de Especialização em Administração Escolar, na fundação Universidade Estadual Vale do Acaraú, em Sobral-CE.

No período de 2000 a 2002, ministrou, em Pacoti, a disciplina de Ação Docente Supervisionada- ADS- do curso de Formação de professores do Ensino Fundamental em Áreas Específicas (1ª. à 8ª. séries), promovida pela coordenadoria de Educação Continuada e a Distância- NECAD/ Centro de Educação- CED-, na Universidade Estadual do Ceará (UECE).

Dentre muitas outras ações de cunho sociocultural, participou do Projeto da Elaboração do Livro Didático do Município, por meio da Secretaria da Ação Básica- 8° Centro Regional de Desenvolvimento da Educação (CREDE 8).- Entretanto, o desempenho em Pacoti não saiu a contento por razões alheias à sua vontade.

Em 2002, afastou-se da função de professora após o requerimento de aposentadoria por tempo integral de contribuição, com fundamento no artigo 1°, parágrafo 3° da Lei 12.780, de 30 de dezembro de 1997.

Amante do teatro e da poesia, criou, em 2002, um grupo de poetas chamado APAIP (Associação de Poetas e Artistas Independentes de Pacoti). Produziu vários textos que são sido lidos, cantados ou representados em diversas ocasiões especiais da história de Pacoti.

Tem participação, inclusive, em dois livros produzidos em Pacoti: um escrito pela beletrista Berenice C. Pessoa de Carvalho, conhecida como Irmã Maria Tereza, autora do Hino de Pacoti. O outro é de Irmã Lúcia Orestes. Ambos os livros são referentes à memória do Instituto Maria Imaculada.

Tem sua marca pessoal deixada como voluntária em órgãos públicos de ação social, bem como em repartições de natureza beneficente; como por exemplo, o Conselho Municipal de Assistência à Criança e ao Adolescente, e a Associação de Proteção à Saúde, à Maternidade e à Infância (APAMI), das quais foi secretária por um longo período.

 Em 2004 foi condecorada pela Câmara Municipal de Pacoti com a Medalha de Mérito Legislativo.


Em 2008, criou a Associação Cultural SEMPRE (Segmento de Estudiosos da Memória e Patrimônio Regional da Serra de Baturité), da qual é conselheira.

 No âmbito dessa entidade, tem desenvolvido o projeto do livro “Pacoti do meu tempo: História e Memória”, que é um de seus sonhos mais antigos, em co-autoria com o professor Levi (presidente da SEMPRE) e com o Historiador Aroldo Filho, ambos também criadores da SEMPRE, através da abertura e organização do seu rico acervo particular, composto de inúmeras pesquisas e informações sobre episódios locais, fotografias e memórias de velhos. 

Em 2001, criou, com Levi e Aroldo Filho, a Lei que deu origem ao 1° primeiro Arquivo Público do Interior do Nordeste, em Pacoti e o projeto da exposição histórica “Pacoti: Uma História em documentos, aprovado pelo Banco do Nordeste. 

Rosimar Brito é a  Historiadora de Pacoti, poetisa, dramaturga, pesquisadora, educadora, professora. E seu filho mais novo, Aroldo Filho, é o 2° Historiador de Pacoti.

ROSIMAR BRITO e AROLDO FILHO 
1ª e 2° Historiadores de Pacoti
Pacoti-Ceará, 2012