terça-feira, 18 de janeiro de 2011

SORVER-TE

SORVER-TE

A língua gelada
lambe calma
o sumo quente

a boca gélida
morde o rígido
incontinente

derrete a brasa
escorre a calda
na língua cálida
na noite quente.

D. Selene