Pesquisar neste blog

Origem das Visitas

AROLDO FILHO

https://www.facebook.com/DelfosJornal GRUPO AROLDO FILHO NO FACEBOOK

sábado, 25 de maio de 2013

A final da Champions e a força do futebol alemão


Texto: Joseclei Nunes (Facebook) (Twitter) (Blog)


O futebol alemão é o único da atualidade que evolui a passos largos. Herança paciente de uma Copa do Mundo realizada com sucesso e que poderia muito bem servir de exemplo para o Brasil.

A final dessa temporada é o exemplo de um futebol estruturado. Após a copa de 2006, a seleção alemã foi vice da Eurocopa de 2008, semifinalista da copa de 2010 e da Euro de 2012.

A força do futebol alemão cresceu após crises de dois dos principais clubes. Bayern de Munique e Borússia Dortmund, finalistas da Champions league e 8 titulares da seleção.

Sucesso em curto prazo e estilo atraente no Borússia

Após os títulos da Liga e do mundial em 1997, o Borússia queria fazer bonito e bater de frente com clubes como Milan e Real Madrid e a diretoria passou a investir em grandes jogadores, um exemplo do Amoroso, onde o clube investiu em 25 milhões de Euros por sua contratação além de investimento no mercado de ações e com isso vieram as crises, como bloqueios em contas, perda de jogadores, do estádio e o quase rebaixamento.

O início da reestruturação do time começou com a vinda do diretor executivo Hans-Joachim Watzke. Apoiado na filosofia de que um clube de futebol deve ser visto como uma empresa, ele logo contratou a consultoria alemã Roland Berger para atuar em quatro vertentes: o estratégico, o financeiro, a gestão e a eficiência operacional.

Além dele, outro grande nome foi o jovem técnico Jürgen Klopp, vindo do modesto Mainz 05, clube da segunda divisão do futebol alemão. Com a vinda dele, Klopp investiu em jovens jogadores Lewandowski, Hummels, Schmelzer e Kagawa. Onde  time começou a jogar um futebol de muita energia, pressionando ferozmente o adversário na marcação, e usando muita velocidade para contra-atacar quando roubava a bola. Para a equipe ficar completa, veio em 2010 à promoção de uma promessa da base: Mario Götze.

O crescimento da equipe se acelerou. Com Götze, Kagawa e o turco Nuri Sahin comandando as ações no meio-campo, o ex-time de desconhecidos do Dortmund foi campeão alemão em 2010/11. No ano seguinte, já sem Sahin e Kagawa, bicampeão, quebrando o recorde de pontos da competição (81). De quebra, veio a "dobradinha" com a conquista da Copa da Alemanha sobre o já arquirrival Bayern de Munique.

Com isso o Borússia, voltou a recuperar seu futebol, utilizando o bom e barato, voltaram se os títulos, com isso, passou a possuir a maior média de publico e a votou a competir na Champions. São meros motivos para credenciar o clube na final da liga.

Bayern de Munique: Despedidas, reformulação do elenco e a volta a elite européia.

Pro Bayern retornar o seu futebol e voltar a ser uma das maiores potências europeias.
Após a vitória da Copa da Alemanha em 2008 e a eliminação na semifinal pelo Zenit na liga europa, o clube bávaro passou por modificações em seu elenco, como despedidas de muitos jogadores que fizeram parte da história. Jogadores como do mítico arqueiro Oliver Kahn e seu multicampeão treinador Ottmar Hitzfeld, que regressou a Bayern como diretor técnico com a consigna de conseguir a Copa da Alemanha, Bundesliga e fazer uma boa campanha na Copa da UEFA com uma plantilla renovada de contratações, formar uma equipa que este à altura é os objetivos do clube de cara ao futuro.

Com a saída do Hitzfeld, o Bayen trouxe o técnico  Louis Van Gaal, o clube sofreu uma reformulação em seu elenco, dispensando jogadores mais experientes como Zé Roberto, Luca Toni e Lúcio, e contratando uma safra mais jovem e com perspectivas futuras altas. Os resultados foram imediatos. Liderados pelo atacante holandês Arjen Robben, a equipe conquistou os dois torneios nacionais com méritos. A empolgação chegou até na final da Liga dos Campeões da Europa, que foi contida com um vice-campeonato europeu depois da derrota na final para a Internazionale de Milão.

Após a perca do título para a Inter, o clube voltou a investir. Contratou o goleiro Neur e o lateral Rafinha, apostou na juventude como Muller e dois anos seguintes voltou a disputar mais uma final até perder para o Chelsea.

O Bayern hoje é uma das maiores forças da Europa, chegou em mais uma final, anunciou o Guardiola como técnico para a próxima temporada, que substituirá o Jupp Heynckes, que vai se aposentar. Também contratou o Gotze, maior revelação do futebol alemão.

Agora esperar se esse novo plantel será positivo para o clube bávaro

A força do futebol alemão

A evolução demoliu estereótipos, como o do futebol baseado exclusivamente na força. "Às vezes nós também temos dificuldades para explicar como na Alemanha passou de um futebol horrível ao futebol que está jogando agora", disse o diretor da revista "11 Freunde", Philipp Köstner.

Ex-craque do Real Madrid e da seleção argentina, Jorge Valdano disse uma vez que era desagradável ver jogar um time alemão, mas que era ainda mais desagradável enfrentá-los. Com certeza, a segunda parte da afirmação segue verdadeira. A primeira, no entanto, ficou no passado e sábado, a decisão da Liga dos Campeões deve ser mais um exemplo desse novo "futebol-arte" germânico.

Com a final entre Bayen e Borussia mostra que o futebol alemão esta entre os melhores do mundo. Nove dos titulares da seleção, jogam na bundesliga, os clubes estão investido na base, diferente da Itália, que sempre busca jogadores em outros países e do Brasil, que não mantem dentro do País.

Não posso dizer que Alemanha ganhará a copa, mas tudo indica que será uma das grandes favoritas e o exemplo de gestão, de permanência de técnicos, jogadores e o investimento da base, faz da Alemanha ser uma das maiores potencias do futebol, como na seleção e como nos clubes.

Joseclei é Assistente de imigração, fundador da União Brasileira dos deístas, apaixonado por política, carnaval, futebol e formula 1. Escritor dos blogs Jornal Delfos, Visão de esquerda e Escolas de Samba RJ/SP.