Pesquisar neste blog

Origem das Visitas

AROLDO FILHO

https://www.facebook.com/DelfosJornal GRUPO AROLDO FILHO NO FACEBOOK

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

O carnaval carioca e a elitização dos desfiles das escolas de samba


Texto: Joseclei Nunes (Razão e Cultura)


Há algum tempo, em suas reuniões, a LIESA proibiu as chamadas torcidas organizadas de escolas de samba de entrarem com faixas e bandeirões. Realmente não sei qual seria as justificativas de tal proibição, mas se hoje são as torcidas que basicamente ressuscitou a sua paixão pela sua escola de samba e apoiar sempre o desfilante, porque a proibição?

Em 2012, o carnaval e os desfiles das escolas de samba irão completar 80 anos, mas desde o inicio dos anos 30 até os tempos de hoje, muita coisa mudou, pois desde a inauguração do sambódromo em 1984 até os tempos de hoje, os desfiles deixou de ser acompanhado pelo povo e passou a ser para turistas e para alta elite da cidade e do Brasil.

Desde quando Paulo da Portela oficializou e acabou com a discriminação aos sambistas, não sabia que no futuro, deixaria de ser dos verdadeiros sambistas e se tornaria em uma ópera, sem espaço para aqueles que amam e vivem de samba onde deixou de ser da comunidade que trabalha o ano todo em prol de sua escola e deixar todo seu amor para aqueles que nem sequer sabe o nome da sua escola.

A LIESA por si, vem proibir as faixas e bandeiras daqueles que realmente amam suas escolas, mas infesta os camarotes de muita música eletrônica, funk e coisas fúteis que não tem nada de parecido com o espetáculo carnaval.

Sobre a questão da globo. Como um canal que nem se quer valoriza o carnaval, quer dar conselhos de como tem que ser, se não especializa seus comentaristas e repórteres, onde em boa parte vem da área dos esportes e de jornalismo e não de carnaval. Um canal que em suas transmissões, passa apenas os patrocínios, seu artistas e faz a cada ano uma transmissão pífia dos desfiles. Onde ela tem esse direito de proibir, sendo que em São Paulo, torcidas ligadas a times de futebol pintam e bordam nos desfiles sem ninguém falar nada.

Apesar de não ter vivido as épocas épicas dos desfiles na Rio Branco, praça onze e presidente Vargas e as  escolas de samba não podia ter patrocínio. E vimos desfiles monumentais no passado sem essa invasão que nos traz enredos sobre prefeituras, artistas extraterrestres ao samba, indústria de laticínios, chapa branca de governos e outras apelações mais. Hoje, o mantra é "ter patrocínio"! Todo mundo caminha para uma igualdade que descaracteriza as escolas de suas identidades originais.

Como já dizia o Império Serrano em 1982 com Bumbum Praticumbum Prugurundum, Caprichosos de Pirales em 1985 com E por falar em saudade, São clemente em 1990 com E o samba sambou e 2010 com Choque de Ordem na folia, vemos uma mudança radical nos desfiles ano a ano.

De uns anos para ca, o povo vem se afastando das escolas de samba, onde apenas tem acesso aos ensaios técnicos e os ensaios de rua de suas respectivas escolas e caminham para o carnaval de rua, onde a cada ano cresce.

Como disse O comentarista Luis Carlos Magalhães em seu artigo no site carnavalesco:

“E assim marcha a festa que ainda é da alegria, fundada na paixão, na emoção, em algum desvario que lhe resta. Marcha para onde? Para a racionalidade plena? Para a maximização de suas potencializações mercadológicas? Um espetáculo meramente para ser assistido, telespectadorizado?”

Será que o carnaval onde em sua história foi construído por um povo que sofre o ano todo nas mãos dessa elite burguesa e passará a ser um evento para turista e burguês ver? Será que tudo que é criado pelo o povo passará a ser uma negociação capitalista para sempre encher seus bolsos com muito dinheiro? Aonde a LIESA quer chegar em separar aos poucos a sua comunidade de suas escolas? Será que essas escolas vão ficar por muito tempo nas mãos de uma organização que só quer organizar para seus interesses próprios.

O banimento das faixas pode ser um estopim e uma revira volta dos verdadeiros apaixonados pelo carnaval contra a elitização dos desfiles onde a LIESA impôs todo ano em suas organizações.

Basta agora refletirmos e não deixar morrer aquilo que mitos como Paulo da Portela, Ismael, Cartola, Carlos Cachaça, Natal e entre outros, além de famosos artistas como Monarco, David Correa, Candeia, Dona Ivone, Silas de Oliveira e muitos que fizeram do carnaval a alegria de nosso povo, da nossa comunidade que chora ao entrar na avenida, que luta ano a ano em prol de sua escola e não deixar que uma simples liga venha elitizar a cultura que vem do subúrbio, que vem de cada um de nós para que o carnaval seja ontem, hoje, amanhã e sempre nas mãos daqueles que realmente fazem carnaval. Pense nisso.