quinta-feira, 17 de março de 2011

FUMAÇA

FUMAÇA

Arrasto comigo uma sede
De cenas que não vivi
De barcos que já partiram
De peles que não senti
Arrasto uma linha pendendo
Pras bandas do fim do mundo
Que escorre a cada segundo
Nas brechas por onde adentro
E levo dois milhões de olhares
Mil bocas que não beijei
Imagens que guardo lá dentro
E um rastro que não deixei